Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Você está aqui: Página inicial -> Comissão de Ética -> Serviço de Comunicação Social -> Editoria de Notícias Externas -> PEQUENAS HIDRELÉTRICAS DO DNOCS VÃO GERAR ENERGIA
Início do conteúdo da página

PEQUENAS HIDRELÉTRICAS DO DNOCS VÃO GERAR ENERGIA

Publicado: Sexta, 18 de Fevereiro de 2005, 08h02 | Modificado por: | Última atualização em Sexta, 18 de Fevereiro de 2005, 08h02 | Acessos: 1418
Até o final deste mês o DNOCS e a Petrobrás assinarão um
protocolo de intenções que têm como objetivo a elaboração de estudos
de viabilidade técnico-econômica para aproveitamento do potencial
energético de barragens do DNOCS. Serão elaborados, em conjunto,
estudos visando a possibilidade de implantação e operação de
pequenas centrais hidrelétricas (PCH).
Em um primeiro momento será aproveitado o potencial energético
das usinas geradoras já instaladas em açudes do DNOCS e que nunca
foi utilizado, como são os casos das centrais existentes na barragem
Pereira de Miranda (Pentecoste) no Ceará e Poço da Cruz (Moxotó) em
Pernambuco, entre outras. Após o aproveitamento desse potencial já
instalado, a parceria implantará centrais hidrelétricas em barragens
onde já existem projetos e potencial hídrico para tal, como a barragem
do Castanhão, no Ceará e, posteriormente, essas unidades deverão
ser instaladas em locais onde existe potencial, mas que não foram
ainda efetuados estudos de viabilidade, como é o caso da barragem
Armando Ribeiro Gonçalves, no Rio Grande do Norte.
O protocolo de intenções para aproveitamento das PCHs será
assinado pelo Diretor-Geral do DNOCS, Eudoro Santana, e pelo
Gerente Executivo de Desenvolvimento Energético, Gás e Energia da
Petrobrás, Paulo Kazuo Tamura Amemiya e terá um prazo de até 60
dias para a elaboração conjunta de um Plano de Ação, o qual deverá
definir efetivamente como se dará a atuação de cada uma das partes
envolvidas.
Segundo Eudoro Santana, o grande destaque desse trabalho de
parceria entre o DNOCS e a Petrobrás é utilizar esse importante
patrimônio do Departamento que não vem sendo utilizado ao longo do
tempo. Em sua gestão estão sendo desenvolvidas ações que resultam
no aproveitamento racional desse patrimônio, o que,
consequentemente, inúmeros benefícios trarão à região semi-árida
brasileira.
Fim do conteúdo da página