Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Você está aqui: Página inicial -> Serviço de Comunicação Social -> Editoria de Notícias -> Boqueirão atinge nova marca e caminha para sair do volume morto
Início do conteúdo da página

Boqueirão atinge nova marca e caminha para sair do volume morto

Publicado por: Iane Tomé | Publicado: Quinta, 10 de Agosto de 2017, 11h25 | Última atualização em Quinta, 10 de Agosto de 2017, 11h25 | Acessos: 389

boqqqqq

 

O açude Epitácio Pessoa, localizado em Boqueirão, atingiu nesta quinta-feira (10) a marca de 8% no volume de água armazenado. Com essa quantidade, restam agora apenas 0,2% para o manancial atingir o volume necessário para sair do volume morto, o que permite o fim do racionamento de água na cidade de Campina Grande e outras 19 cidades abastecidas pelo açude. De cordo com dados do Departamento Nacional de Obras Contra às Secas (Dnocs), na manhã desta quinta-feira foi registrado o volume de 32.743.129 m3 em Boqueirão. A Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa) estima que, levando em consideração a vazão da entrada de água, que atualmente varia entre 1,4 m³/s e 2,5 m³/s, nos próximos 16 dias os 0,2% restantes deverão estar recarregados.

Com essas informações, o Governo do Estado decidiu que a Cagepa encerrará o racionamento de água em Campina Grande e nas outras cidades abastecidas por Boqueirão a partir do dia 26 deste mês, quando o açude deverá sair do volume morto. Desde que as águas dos Rio São Francisco começaram a entrar no manancial, no mês de abril, o aporte hídrico no açude de Boqueirão já é de 20.769.069 m3 com aumento da lâmina d'água de 4,65 e hoje o volume já quase três vezes superior à quantidade que existia antes da chegada da transposição. Há uma expectativa de que a vazão possa voltar a aumentar e trazer uma recarga maior ao açude.

DESVIOS DE ÁGUA

O Ministério da Integração denunciou esta semana que aproximadamente 20 milhões de metros cúbicos tenham sido desviados do leito do Rio Paraíba nestes últimos meses, principalmente por conta de ligações irregulares para uso na irrigação. Já o Governo do Estado não acredita nesses números, mas ressalta que esse furto de água deve estar acontecendo na bacia do açude de Boqueirão, onde a fiscalização deveria ser realizada pela Agência Nacional da Águas (ANA).

Fonte: http://www.jornaldaparaiba.com.br/

Fim do conteúdo da página